centro_peq

O Centro Antigo da Vila de Sernancelhe com um elevado património histórico e diversos exemplos arquitectónicos é de visita obrigatória. Para além da Igreja Matriz, anote

Monumentos a visitar:

Pelourinho: A coluna do pelourinho eleva-se sobre quatro degraus octogonais de talhe liso. O fuste de igual configuração nasce de uma pequena base quadrada. O degrau inferior tem cerca de um palmo de altura; o segundo, palmo e meio e os dois restantes doi palmos. O fuste é cingido por uma cinta de ferro de vinte e cinco milímetros de largura. Na parte superior da coluna de alto porte, encontra-se cercadura concordante de duplo filete. no capitel, tronco – piramidal de oito faces está gravada a data do monumento. Era D(E) 1SS4 – 1554. A gaiola possui oitio colunetos em apoio vertical. São peças de bom pormenor, de forma cilíndrica com anéis equidistantes, sobre o segundo dos quais se eleva o pináculo acima da cúpula. Ao centro da gaiola tem um pilar cilíndrico. A cobertura de forte inclinação em cujo bordo se encostam os colunetos, é provida de quatro filetes. No pináculo assenta grimpa de ferro com pequena cruz. – SOUSA, Júlio Rocha – Antigas Vilas do Concelho de Sernancelhe , Viseu, Edição do Autor, 2001

Solar dos Carvalhos: Situa-se por detrás da igreja Matriz de Sernancelhe. É uma fidalga moradia dos meados do séc. XVIII mandada levantar por Paulo de Carvalho, tio do Marquês de Pombal, ao pé das ruínas da antiga casa. A arquitectura do solar, que constitui um dos belos exemplares a reflectir uma feição barroquizante no tratamento de alguns elementos decorativos, distribui-se por dois corpos quase simétricos unidos por uma capela de gosto rococó, com a característica concha dourada da cantaria e a brancura dos panos de muro caiados. Possui na fachada principal um brasão de armas, que além das armas dos Carvalhos parece documentar a origem de alta clerezia, a que pertencera o proprietário e mandante. Este solar foi construído em parte sobre as ruínas da casa onde viveu parte da sua infância o Marquês do Pombal.

Casa do Comendador de Malta: A Ordem de Malta chegou a Sernancelhe no século XII, onde em conformidade com as suas regras teve um ampla acção ao nível da caridade, acolhimento e defesa do território. A Ordem de Malta possuia no Concelho muitos bens e foros, tendo o seu cento nesta casa. Casa que impressiona pela sua sobriedade  e nobreza austera. Toda a fachada corrida, de granito amarelo e com cornija saliente, é enobrecida e marcada por símbolos da missão militar de desefa da região, da pátria e peregrinos. Por esse motivo lá se encontram, quatro bocas de canhão: dois maiores e de colarinhos rendilhados, e os outros dois, sobre a parte privativa mais pequenos. O portal é sobrepujado pela pedra de armas (com a data de 1611), não da Comenda mas do seu comendador. Marco característico da Ordem é, sem dúvida, a cruz de Malta, género estela, primorosamente esculpida que se perfila pelo edifício. A Casa da Comenda é um espaço de história, adaptado (pelo actual proprietário, Sr. Artur Pereira Rodrigues), às modernas exigência de um turismo de qualidade e preparado para oferecer uma agradável estadia.

(fonte)